Campus de Cametá capacita manipuladores de açaí

Após surtos da Doença de Chagas na mesorregião do Nordeste do Estado, nos municípios de Cametá, Limoreiro do Ajuru e Igarapé-Miri — onde está localizada a maior concentração de produção do açaí — por transmissão oral dentro da cadeia produtiva e do consumo familiar, o Campus XVIII da Universidade do Estado do Pará (Uepa), em Cametá, promoveu o projeto Prevenção da Doença de Chagas: manipulação higiênico-sanitária e branqueamento do açaí, durante o dia 3 de outubro, no auditório do Instituto Nossa Senhora Auxiliadora (INSA)

Um dos objetivo é de capacitar, aproximadamente, 400 manipuladores de açaí da comunidade cametaense de batedores artesanais em relação ao branqueamento, conforme as normas estabelecidas pela legislação brasileira, para beneficiamento e comercialização do produto. “A nossa intenção é desenvolver um projeto com características sociais e de saúde pública para sensibilizar os batedores de açaí com relação às boas práticas higiênico-sanitárias para garantir a esses pequenos produtores o alcance da qualidade físico-química e nutricional do açaí cametaense”, afirmou a coordenadora do Campus de Cametá, Natácia Silva.

A programação contou com o lançamento do projeto e presença de apoiadores, palestras informativas sobre “A contribuição do Fórum (Comarca de Cametá) em projetos sociais” e “Prevenção da doença de Chagas por meio do branqueamento do açaí”, esta última foi ministrada pela professora Natácia. Além disso houve a exposição sobre “Doença de Chagas: transmissão, sintomas, diagnóstico, prevenção e tratamento”, ministrada pelo professor Christian de Melo.

As etapas do projeto envolveram cadastramento de batedores, avaliação dos locais de armazenamento e beneficiamento do fruto, treinamento e capacitação em relação ao processo de branqueamento, elaboração de material técnico-científico para apoio didático, troca de experiências, avaliação da qualidade físico-química e nutricional, além da contaminação microbiológica e microscópica do açaí comercializado em Cametá e criação do selo de qualidade.

O projeto envolve as parcerias entre a Uepa e a Vigilância Sanitária do município de Cametá, o Poder Judiciário do Estado do Pará e do Instituto Evandro Chagas, para aquisição de materiais e implementação do selo de qualidade nas unidades processadoras dos batedores.

Texto: Wesley Lima (com informações de Daniel Leite Jr)
Foto: Nailana Thiely